Lançado no mercado brasileiro em abril com motorização a gasolina, o Land Rover Discovery Sport ganhou no mês passado a opção de um propulsor turbodiesel para atender ao público que necessita de um SUV com aptidões para o fora-de-estrada, capacidade para levar até sete ocupantes e maior autonomia. O modelo está disponível nas versões SE (R$ 218.100), HSE (R$ 242.700) e HSE Luxury (R$ 270.700) com cinco lugares, uma vez que a terceira fileira de bancos é opcional (preços variam entre R$ 6 mil e R$ 8 mil, dependendo da configuração).

– Confira aqui o vídeo da avaliação do Land Rover Discovery Sport a gasolina

Para testar o Discovery Sport movido a diesel, a Land Rover promoveu uma expedição partindo de Guarulhos (SP) com destino ao Parque Nacional do Itatiaia, passando por cidades do interior do estado do Rio de Janeiro – incluindo Itatiaia, onde o SUV será fabricado a partir do ano que vem junto com o Evoque – além de pequenos municípios em Minas Gerais. No total, foram percorridos mais de 500 quilômetros, incluindo rodovias pavimentadas e percursos no fora-de-estrada.

Diesel mostra a sua força

Para empurrar o Discovery Sport, o motor de quatro cilindros de 2.2 litros turbodiesel desenvolve 190 cv de potência a 3.500 rpm e 43 kgfm de torque a 1.750 rpm – são 50 cv a menos e 8,3 kgfm a mais que o motor a gasolina. Essa força é gerenciada às quatro rodas do utilitário esportivo pelo câmbio automático de nove velocidades. Segundo a Land Rover, as marchas mais baixas tiveram as suas relações encurtadas para garantir mais agilidade em arrancadas e em situações de off-road, enquanto as mais altas foram alongadas para favorecer a economia de combustível.

Falando em economia, a fabricante diz que o Discovery Sport a diesel pode rodar até 900 quilômetros com um único abastecimento – durante a avaliação o computador de bordo apontava autonomia na casa dos 650 quilômetros com o tanque de 65 litros cheio.

Em funcionamento, o conjunto mecânico do SUV mostra mais disposição que o motor a gasolina, além de baixíssimo nível de ruído e trepidação quase imperceptível. O consumo médio registrado na viagem foi de 12 km/l na estrada e de até 6,4 km/l nas trilhas.

A caminho do Parque Nacional do Itatiaia, o Discovery Sport mostrou boa disposição e rapidez para embalar até as velocidades de cruzeiro. O conforto a bordo é garantido pelo ótimo isolamento acústico e pela suspensão bem calibrada, que absorve bem as imperfeições do asfalto. Por disponibilizar o torque máximo abaixo das 2.000 rotações, o motor é elástico e entrega força para retomadas e ultrapassagens seguras à menor cutucada no acelerador.

Apesar da altura da carroceria e de não contar com a suspensão pneumática do irmão maior Discovery 4, o SUV não inclina em excesso nas curvas, transmitindo confiança ao condutor.
Com o ótimo acabamento típico dos Land Rover, a cabine do Discovery Sport é espaçosa para até cinco ocupantes. Os bancos dianteiros contam com regulagens elétricas e memória para três posicionamentos. Os assentos traseiros possuem regulagens manuais, enquanto a terceira fileira opcional é indicada para crianças.

A força da motorização turbodiesel é realmente notada ao sair do asfalto e encarar estradas de terra, subidas íngremes e trechos enlameados ou repletos de cascalho. Além do torque abundante, o Discovery Sport é dotado do sistema Terrain Response (também disponível na versão a gasolina) – acionado por botões no painel – que adapta os parâmetros do motor, câmbio e acelerador de acordo com o terreno a ser enfrentado.

Mesmo com pneus para uso no asfalto, o Discovery Sport não passou por dificuldades na hora de transpor obstáculos como pequenos riachos (o SUV pode atravessar alagamentos de até 60 centímetros de profundidade) e ladeiras escorregadias. A suspensão, bem ajustada para o asfalto, mostrou robustez na hora de passar pela buraqueira das estradinhas sem pavimentação.

Além da ótima qualidade de construção, o Discovery Sport traz de série, a partir da versão SE, ar-condicionado automático de duas zonas com saídas para os bancos traseiros; direção elétrica; sensor de estacionamento traseiro; central multimídia com tela de oito polegadas, USB, Bluetooth e entrada auxiliar; freio de estacionamento elétrico; Terrain Response; alarme perimétrico; rodas de 18 polegadas; bancos com revestimento parcial de couro, entre outros. Os opcionais são a terceira fileira de bancos (R$ 8mil), GPS (R$ 3.200), teto panorâmico fixo (R$ 4.900), segunda fileira com rebatimento 60:40 (R$ 1.600) e habilitação de aplicativos no sistema multimídia (R$ 1.600).

Já o Discovery Sport HSE acrescenta o teto panorâmico; GPS; rodas de aro 19; bancos totalmente revestidos de couro; sensor de estacionamento dianteiro; sistema de áudio com 10 alto-falantes e subwoofer. Opcionais: terceira fileira de bancos (R$ 7 mil), habilitação de aplicativos (R$ 1.600).

A versão topo de linha HSE Luxury adiciona revestimento de couro Premium Windsor, bancos dianteiros com regulagem elétrica e memória, sistema de som Meridian com 17 alto-falantes e entradas USB na segunda fileira de bancos; rodas de 19 polegadas com desenho exclusivo. Nesta configuração, os dois bancos adicionais saem por R$ 6 mil.

De acordo com a Land Rover, foram vendidas mais de 1.600 unidades do Discovery Sport entre março e outubro. A marca não revela a expectativa de vendas para a versão a diesel, mas afirma que essa motorização representará 60% do mix de vendas do SUV nos próximos 12 meses, com as configurações HSE e HSE Luxury correspondendo por 75% do total – na maioria com sete lugares.

Fábrica no Brasil

A produção do Discovery Sport e do Evoque em Itatiaia (RJ) terá início no primeiro semestre de 2016, mas a Land Rover já realiza as primeiras atividades na fábrica, que terá a capacidade para 24 mil veiculos por ano. Por enquanto, a empresa promove o treinamento dos funcionários, utilizando uma metodologia que tem como objetivo aprimorar as aptidões e habilidades dos colaboradores.

Viagem a convite da Land Rover
Fotos: Divulgação e Guilherme Silva