A Honda lança nesta quarta-feira (28), na 44ª edição do Salão do Automóvel de Tóquio um veículo movido a hidrogênio (tecnologia conhecida como célula de combustível), que já começa a ser vendido no Japão em março de 2016. Batizado de Clarity Fuel Cell, o modelo é a versão de produção do conceito FCV, exibido no Brasil durante o Salão de São Paulo de 2014.

O Clarity Fuel Cell será oferecido por 7,66 milhões de ienes (incluindo impostos), o que corresponde a cerca de US$ 63 mil. Na sequência, a Honda planeja disponibilizar o veículo nos Estados Unidos e Europa.

O modelo que não polui e emite apenas água é feito para levar até cinco ocupantes adultos e tem autonomia para rodar mais de 700 km, de acordo com medições da própria fabricante. A recarga do tanque pode ser feita em cerca de três minutos e potência do motor é de 176 cv (130 kW). O powertrain tem dimensões próximas ao de um propulsor V6, sendo possível acomodá-lo sob o capô do veículo.

De acordo com a Honda, a célula de combustível do veículo foi reduzida em 33% em comparação à versão anterior e a performance incrementada em aproximadamente 60%. As dimensões são de 4,89 metros de comprimento, 1,87 m de largura e 1,47 m de altura.

Vale destacar que a Honda iniciará as vendas do sedã no Japão, a princípio, para órgãos governamentais e clientes empresariais, que já são parceiros da marca para a popularização dos FCVs. Durante o primeiro ano, a marca japonesa reunirá informações sobre as condições de utilização do modelo no mercado, incluindo o dispositivo de alimentação de energia externa, para obter diversas opiniões de clientes e outras organizações relevantes, e depois começará a fazer as vendas para os clientes individuais.

Juntamente com o início das vendas do Clarity Fuel Cell no Japão, a Honda também irá oferecer separadamente o equipamento Power Exporter 9000, dispositivo de alimentação de energia externa que transforma o veículo em uma “usina de energia sobre rodas”. A tecnologia tem capacidade para gerar energia para uma residência de porte médio durante cerca de sete dias.

Fotos: Divulgação Newspress