Derivada do utilitário esportivo Duster, a picape Duster Oroch da Renault, inaugura uma categoria no Brasil. Isso porque, em termos de porte e preço, ela se posiciona acima das compactas Fiat Strada e Volkswagen Saveiro e abaixo das médias, como Chevrolet S10 e Ford Ranger.

Desenvolvida em parceria com os centros de design da Renault do Brasil e da França, a primeira picape da marca já despertou o interesse de mais de 25 mil clientes que se cadastraram no site, de acordo com Olivier Murguet, presidente da Renault das Américas.

Feita para levar até cinco ocupantes, totalizando 650 kg de carga e uma caçamba com 683 litros de capacidade, a Duster Oroch se destaca por oferecer mais espaço e conforto que as picapes compactas e por ser mais prática de utilizar no dia a dia que um modelo médio. Inicialmente, a Oroch pretende roubar clientes das versões mais completas de Fiat Strada e Volkswagen Saveiro. Mas a briga ficará ainda mais interessante quando a Fiat lançar a rival direta Toro, confirmada para o início do próximo ano. Em comum, Oroch e Toro têm como principal característica derivarem de um SUV — no caso da picape da Fiat, a base é do Renegade.

Para brigar nesse disputado terreno, a Oroch oferece três versões de acabamento, dois tipos de motorização (1.6 e 2.0 do Duster) e transmissão manual (5 ou 6 marchas). Mas o presidente da Renault das Américas já confirmou que, em breve, a gama irá aumentar com a estreia de uma transmissão automática e a opção de tração 4×4.

Com preços iniciais competitivos de R$ 62.290 para a variante de entrada e R$ 70.790 na versão mais completa, a Oroch poderá ser encomendada em regime de pré-venda a partir do próximo dia 10 de outubro, enquanto as vendas e a entrega das primeiras unidades estão programadas para 1º de novembro. Confira abaixo os valores das três versões e principais equipamentos.

  • Expression 1.6 16V Flex câmbio manual de cinco marchas (R$ 62.290)
    De série oferece airbag duplo, freios com ABS, direção hidráulica, travas elétricas, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 16 polegadas de liga leve (cor “Alumínio”), alerta sonoro de luzes acesas, rádio CD MP3 com conexões USB e Bluetooth, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave com comando de travamento a distância, comando de áudio e celular na coluna de direção, assento do motorista com regulagem de altura, desembaçador do vidro traseiro, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), barras no teto, santantônio, protetor de caçamba. Opcionais: retrovisores externos com regulagem elétrica e faróis de neblina (R$ 700).
  • Dynamique 1.6 16V Flex câmbio manual de cinco marchas (R$ 66.790)
    Em relação à versão de entrada adiciona Media NAV Evolution com funções Eco-Coaching e Eco-Scoring, faróis de neblina, rodas aro 16 polegadas de liga leve na cor “Cinza Escuro”, piloto automático, comando elétrico dos retrovisores, sensor de estacionamento, volante com acabamento em couro, computador de bordo, indicador de temperatura externa e vidros do motorista com comando one touch. Opcionais: bancos em couro (R$ 1.700), protetor frontal com faróis adicionais, alargador de para-lamas, capota marítima e grade de proteção do vidro traseiro.
  • Dynamique 2.0 16V câmbio manual de seis marchas (R$ 72.490)
    Conta com o mesmo pacote da Dynamique 1.6.

Na linha de acessórios, o destaque fica com a o extensor de caçamba, que permite aumentar o comprimento em 603 mm, ampliando a capacidade de carga em 306 litros. Além disso, o item possibilita levar cargas de até 2 metros em diagonal, uma alternativa para quem precisa carregar uma motocicleta, por exemplo. A extensão também pode ser usada como divisória na caçamba ou como uma rampa para subir motos e bicicletas. Há também a possibilidade de equipar a picape com barras de teto transversal, estribos, apoio de braço central, caixa multibox para caçamba, cooler 12v, DVD portátil, câmera e sensor de ré.

Não é apenas um Duster com caçamba

Comparando com o SUV Duster, a Oroch é 36 centímetros maior em comprimento (4,69 metros) e 15 cm maior na distância entre eixos (2,83 m). Embora tenha a mesma cara do utilitário, a picape não é apenas um Duster que ganhou uma caçamba. Da porta traseira até o final, é outro carro. A Renault destaca que a Oroch conta com suspensão traseira independente do tipo multi-link em todas as versões, reforços estruturais em toda a parte traseira da cabine, mudanças nas longarinas e assoalho, além de pneus de uso misto mais resistentes (215/65 R16) e maior distância em relação ao solo (206 mm a mais). Outro diferencial é que na picape o estepe fica sob a caçamba, que requer o uso da chave para abertura.

Os propulsores são os conhecidos 1.6 16V com 115/110 cavalos de potência e 20,9/20,2 kgfm de torque e o 2.0 16V com 148/143 cv e 15,9/15,1 kgfm (etanol/gasolina), que já equipam o Duster. Nas configurações com o bloco 1.6, a picape utiliza o câmbio manual de cinco velocidades, porém, com a quarta e quinta marchas com relações mais longas. Já a versão que traz sob o capô o motor 2.0, conta com uma caixa manual de seis marchas, também com relações específicas.

A Oroch possui garantia de fábrica de três anos ou 100 mil quilômetros, o que acontecer primeiro.

Primeiro contato

Tanto para o bem e como para o mal, a cabine da Oroch se parece com a do Duster. Os acabamentos são simples como os do utilitário. Para quebrar um pouco o clima de sobriedade, há detalhes em black piano no painel central e revestimentos na cor preta, inclusive no teto. O motorista se acomoda bem e a posição de guiar alta favorece a visibilidade.

A ergonomia de alguns comandos são o ponto fraco da picape. Isso porque a posição do botão que controla os retrovisores externos, localizado sob a alavanca do freio de mão é, no mínimo, incômoda e acessar a alça que regula a altura do banco do motorista em um estreito vão entre o assento do banco e o painel da porta é missão quase impossível com a porta fechada. Outro ponto é que a posição da tela multimídia é baixa.

Por outro lado, o tamanho da cabine da Oroch surpreende positivamente. Embora o espaço traseiro seja menor que o do Duster, a picape é capaz de levar três pessoas no banco traseiro e oferece boa acomodação para pernas — o que não acontece na dupla Strada e Saveiro.

Mas é a boa dirigibilidade que cativa o motorista. Graças ao bom acerto de suspensão, a picape com alma de SUV consegue ser confortável, filtrando corretamente as irregularidades do asfalto, sem fazer com que os ocupantes chacoalhem em excesso, como acontece na maioria das picapes. Mesmo em curvas mais acentuadas o veículo consegue manter-se estável, sem escorregar a traseira.

Equipada com o motor 1.6 o desempenho da Oroch é apenas modesto. A picape demora para embalar os seus 1.292 kg, além de perder fôlego facilmente. Com esse propulsor o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 13,2 segundos e atinge a velocidade máxima de 164 km/h, segundo a Renault. Já os números de consumo de combustível na estrada são de 10,9 km/l e 7,5 km/l (gasolina/etanol), enquanto que na cidade as médias são de 9,6 km/l e 6,6 km/l (gasolina/etanol), de acordo com a fabricante.

Já com o bloco 2.0 o cenário muda e a picape se torna ágil na saída e passa mais segurança na hora de fazer ultrapassagens. Como o motor trabalha em um regime de rotação mais baixo que o 1.6, o ruído dentro da cabine é menor. Com esse conjunto, o desempenho da picape fica mais próximo do Duster. O consumo, no entanto, não sofre, ficando próximo das médias do propulsor menor: na estrada faz 10,8 km/l e 7,3 km/l (gasolina/etanol) e na cidade fica em 9,2 km/l e 6,4 km/l (gasolina/etanol). A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 9,7 segundos e a velocidade máxima é de 186 Km/h, segundo a Renault.

A Renault, que atualmente possui 7% de participação nas vendas do mercado brasileiro (com avanço de 0,2% este ano em que as vendas totais do País cresceram 20%), tem um objetivo bem claro: quer aumentar rapidamente essa fatia para 8%. E, claro, que a Oroch é uma das apostas para alcançar essa meta.

Viagem a convite da Renault
Fotos: Divulgação