Picapes sempre foram associadas ao trabalho pesado e à capacidade de superar terrenos difíceis, mas nos últimos anos elas passaram por transformações que as deixaram mais confortáveis e fáceis de dirigir. Essa evolução foi determinante para que o público consumidor dos modelos de cabine dupla, antes restrito a empresários do agronegócio do interior do país, aumentasse nas grandes cidades. De olho nesses clientes, as fabricantes promoveram mudanças, basicamente estéticas e de conforto, para deixar as suas picapes ainda mais atrativas aos consumidores que raramente vão encher a caçamba de carga ou passar por estradas enlameadas.

Líderes isoladas do segmento de picapes médias, Chevrolet S10 e Toyota Hilux possuem séries especiais baseadas nas versões topo de linha, porém, com alguns incrementos visuais e acabamentos diferenciados. Inspirada em modelos vendidos nos Estados Unidos, a S10 High Country chegou ao mercado em julho deste ano custando a partir de R$ 163.800, enquanto a Hilux Limited Edition, vendida desde o final do ano passado, tem preço inicial de R$ 182.850. Ambas são equipadas com motorização turbodiesel, câmbio automático e tração 4×4 com reduzida.

Para comemorar os 20 anos na liderança do mercado, a S10 High Country estreia no Brasil a grife que dá um ar de exclusividade às versões mais caras das picapes da General Motors na América do Norte. Baseado na variante LTZ 2.8 turbodiesel 4×4 automática, o modelo incorpora faróis com máscara negra, grade frontal na cor cinza, rack de teto, protetor plástico no para-choque dianteiro, frisos cromados na base dos vidros como no SUV Trailblazer, rodas de 18 polegadas com acabamento usinado e santoantônio integrado à caçamba semelhante ao da Ford Ranger. A pintura metálica vermelho Chili da picape das fotos também é novidade.

Como o nome já diz, a Hilux Limited Edition tem produção restrita a apenas 3 mil unidades. O modelo também adiciona adereços estéticos, como adesivos, rodas de liga leve de 17 polegadas pintadas de preto, proteção no para-choque dianteiro, santantônio cromado e tapetes exclusivos.

Além do visual incrementado, as duas picapes saem de fábrica bem equipadas. Ambas contam com direção hidraulica, ar-condicionado automático digital, controle de cruzeiro, bancos de couro (na S10 o revestimento é bicolor) com ajustes elétricos para o motorista, central multimídia com câmera de ré e GPS (o equipamento da Hilux possui TV digital), faróis de neblina, capota marítima, controles eletrônicos de estabilidade e tração, além dos obrigatórios airbags frontais e freios com sistema anti-travamento (ABS). A segurança da S10 é complementada com controle de velocidade em declives, assistência de partida em rampas e sensores de estacionamento traseiros.

As picapes chamam a atenção por onde passam, mas a S10 High Country se destaca, principalmente, pela pintura na cor vermelha da unidade avaliada. O santoântonio e a moldura da capota marítima dão uma aparência mais encorpada à picape, quando vista de perfil. Um pouco mais discreta que a rival, a Hilux Limited Edition também atrai olhares – na maioria de donos de outras Hilux. As rodas pintadas de preto dão um ar de esportividade, que destoa do exagerado protetor plástico do para-choque dianteiro.

A bordo das picapes, a Hilux já mostra os sinais da idade de seu projeto, lançado por aqui há quase 10 anos. O interior da Toyota é bem montado, mas o seu acabamento, bem como a qualidade dos materiais, são inferiores aos utilizados na S10 e não condizem com um veículo de mais de R$ 180 mil. Enquanto a Chevrolet utiliza plásticos de diferentes texturas, apliques black piano (preto brilhante) e elementos cromados, a Hilux tem o interior predominantemente na cor preta, com alguns detalhes imitando alumínio e plásticos que riscam com facilidade.

As cabines de ambos os modelos têm capacidade para cinco ocupantes, mas o ideal é levar até duas pessoas no banco traseiro de cada um deles para garantir mais espaço para as pernas. Na S10, um passageiro de 1,80 metro se acomoda com um pouco mais de folga, mas os seus joelhos ficam ligeiramente mais elevados do que na Hilux, o que provoca cansaço em viagens mais longas.

Em movimento, S10 e Hilux esbanjam disposição devido à força de seus motores turbodiesel de quatro cilindros. Na picape da Chevrolet, o bloco de 2.8 litros desenvolve 200 cv de potência a 3.600 rpm e entrega 51 kgfm de torque a 2.000 rpm, gerenciados por uma caixa automática de seis marchas. No modelo da Toyota, o propulsor de 3.0 litros gera 171 cv a 3.600 rpm e 36,7 kgfm a 1.400 rpm e trabalha associado a um câmbio automático de cinco velocidades.

Embora os números da ficha técnica da Hilux sejam inferiores, a picape é mais esperta que a concorrente em arrancadas moderadas devido ao menor peso (1.960 kg ante 2.139 kg) e pelo torque máximo entregue logo a 1.400 rotações por minuto. Mas a cavalaria e a força extras do motor da S10, entretanto, se sobressaem em subidas, ultrapassagens e na hora de transpor obstáculos mais severos no fora-de-estrada.

Por permitir trocas de marchas na alavanca, a transmissão da S10 deixa a picape mais ágil tanto em reduções para fazer retomadas como para ajudar a reduzir a velocidade ao utilizar o freio-motor.

O desempenho um pouco inferior da Hilux, no entanto, compensou nas medições de consumo realizadas pela equipe de engenheiros do Instituto Mauá de Tecnologia. O modelo bebeu menos diesel que a S10 durante a avaliação (confira os resultados nas tabelas abaixo).

Chevrolet S10 High Country

Teste Carsale-Mauá
Cidade
Estrada
0 a 100 km/h
Retomada 80 a 120 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h
8,3 km/l13,2 km/l10,12 segundos7,56 segundos55,5 metros

Toyota Hilux Limited Edition

Teste Carsale-Mauá
Cidade
Estrada
0 a 100 km/h
Retomada 80 a 120 km/h
Frenagem 100 a 0 km/h
8,7 km/l14,9 km/l11,77 segundos9,50 segundos55,7 metros

Robustas, as picapes encaram terrenos acidentados e lamaçais sem grandes dificuldades graças à tração 4×4 com reduzida. Na S10, o sistema é acionado eletronicamente por meio de um botão giratório no console, enquanto na Hilux os modos de tração são selecionados por uma rústica alavanca. O assistente de frenagem da S10 deixa a picape mais fácil de controlar em descidas íngremes. Na Hilux, a tarefa tem de ser feita diretamente no pedal de freio.

Embora as picapes médias sejam cada vez mais utilizadas nas cidades, tanto a S10 quanto a Hilux são desajeitadas no trânsito urbano.

Além das grandes dimensões (mais de cinco metros de comprimento e cerca de dois metros de largura), elas pulam bastante quando rodam com a caçamba vazia, pelo fato de as suas suspensões serem projetadas para carregar peso. Enquanto a Hilux aparenta ser mais “assentada”, a S10 chega a incomodar com os sacolejos excessivos da traseira.

Tanto a S10 como a Hilux podem carregar aproximadamente uma tonelada de peso. As suas caçambas possuem dimensões parecidas, mas o santanônio estiloso da picape da Chevrolet não é funcional caso seja necessário acomodar cargas mais altas.

Nesta disputa, a S10 High Country mostra ser uma opção mais vantajosa que a Hilux Limited Edition pelo projeto e conjunto mecânico mais modernos, por sair de fábrica mais equipada e, principalmente, pela grande diferença de preços que a picape da Toyota não justifica. Ambas são caras, mas (possivelmente apoiada na fama de “inquebrável” da Hilux) a Toyota exagera ao cobrar quase R$ 20 mil a mais em relação ao modelo da Chevrolet.

Outro ponto que pesa contra a Hilux é o fato de que ela acaba de ganhar uma nova geração na Ásia e que vai chegar ao Brasil no ano que vem. A S10 também terá novidades: o modelo será reestilizado em 2016 e poderá ganhar atualizações em equipamentos.

Fotos: Larissa Florencio e Divulgação

Ficha técnica

ModeloChevrolet S10 High CountryToyota Hilux Limited Edition
PreçoR$ 163.800R$ 182.850
MotorLongitudinal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, comando duplo, turbocompressor, injeção diretaLongitudinal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, turbocompressor, injeção direta
Cilindrada (cm³)2.7762.982
Potência200 cv a 3.600 rpm171 cv a 3.600 rpm
Torque (gasolina/etanol)51 kgfm a 2.000 rpm36,7 kgfm a 1.400 rpm
Freios dianteirosDiscos ventiladosDiscos ventilados
Freios traseirosTamboresTambores
Suspensão dianteiraIndependente com braços articulados, molas helicoidais, barra estabilizadora e amortecedores telesc. hidráulicos pressurizadosIndependente, braços duplos triangulares, molas helicoidais e barra estabilizadora
Suspensão traseiraFeixe de molas semi-elípticas de 2 estágios e amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizadosEixo rígido, molas semi-elípticas de duplo estágio
RodasLiga leve de 18 polegadasLiga leve de 17 polegadas
Pneus265/60 R18265/65 R17
DireçãoHidráulicaHidráulica
Peso em ordem de marcha (kg)2.1391.960
Comprimento (metros)5,345,26
Largura (m)2,13 (com retrovisores)1,83
Altura (m)1,911,86
Distância entre-eixos (m)3,093,08
Tanque de combustível (litros)7680
TransmissãoAutomática de seis marchasAutomática de cinco marchas
TraçãoTraseira, 4x4 com reduzida, acionamento eletrônicoTraseira, 4x4 com reduzida, acionamento mecânico
Capacidade de carga (kg)1.0111.000