Nesse momento, olhando para os pneus do seu veículo, você saberia dizer se está na hora de trocá-los? A boa notícia é que isso é uma tarefa simples, mas que pode livrar você e sua família de grandes complicações e riscos por falta de segurança.

A primeira coisa que você precisa ter em mente é que a resposta para isso está nos indicadores de desgaste. Eles estão posicionados no alto do costado dos pneus e são identificados por um triângulo ou pela expressão TWI (sigla em inglês para Tread Wear Indicator), que aparecem de quatro a oito vezes em volta do pneu. Nesta mesma direção, no fundo dos sulcos (na banda de rodagem) existe um ressalto de borracha de 1,6 mm que indicará o momento exato da troca dos pneus.

Além de ser perigoso rodar com os pneus gastos, os veículos que forem pegos rodando com pneus com sulcos abaixo da profundidade estabelecida de 1,6 mm podem ser multados e apreendidos. Na situação de desgaste excessivo, os pneus podem oferecer os seguintes riscos:

  • Estouro do pneu;
  • Instabilidade do veículo em pistas molhadas, devido à aquaplanagem;
  • Aumento da possibilidade de derrapar, principalmente em curvas;
  • Maior espaço necessário para executar uma frenagem segura.

Agora que você já sabe tudo sobre o momento de troca, está na hora de ficar atento as oito dicas de como escolher os novos pneus de forma correta e segura.

  1. Substitua os pneus por outros da mesma medida recomendada pelo fabricante do veículo;
  2. No caso de pneus tipo câmara, é recomendável a troca da câmara e do protetor;
  3. É recomendada a substituição da válvula ao montar um pneu novo;
  4. Ao repor apenas dois pneus (no caso de veículos de passeio), instale-os no eixo traseiro do veículo;
  5. Verifique se o desenho da banda de rodagem, o índice de carga e o símbolo de velocidade são compatíveis com o recomendado pela montadora ou com o tipo de serviço do veículo;
  6. Nunca monte pneus de dimensões ou construções diferentes em um mesmo veículo, exceto quando indicado pela montadora;
  7. Nunca misture pneus de marcas, medidas, tipo de construção (radial ou convencional) ou desenhos da banda diferentes, assim como pneus novos com usados no mesmo eixo do veículo;
  8. É possível utilizar pneus maiores ou menores que os recomendados, desde que a equivalência dos componentes seja respeitada, ou seja, que se mantenha o diâmetro externo equivalente ao dos pneus originais. Caso você não faça isso, correrá o risco de ter a leitura do velocímetro errada, aumentar demais a altura do automóvel em relação ao chão, causando desequilíbrio e, no caso de ter pneus maiores, poderá haver aumento de consumo, pois o veículo demandará mais força do motor para se movimentar.

Fotos: Divulgação