Os motores boxer (cilindros opostos) refrigerados a ar são conhecidamente resistentes e confiáveis. Prova disso é que já foram submetidos a todo tipo de situação, do frio dos polos até o calor do deserto, durante a Segunda Guerra Mundial.

Para os preparadores de motores eles também são um prato cheio, com inúmeras receitas, tanto aspiradas quanto turbinadas. Os modelos da matéria trazem configurações próprias, com carburador e injeção eletrônica.

O Fusca prata, inclusive, já foi recordista em Interlagos e curte a sua aposentadoria nas ruas. Já o azul teve preparação turbo e agora roda com um motor 1.600 movido a álcool. Vale a pena aumentar o volume e conferir os roncos desses besouros nervosos no vídeo abaixo.

Renato Bellote é jornalista automotivo em São Paulo, redator da Revista Driver e editor-chefe da Garagem do Bellote TV. Sua paixão por carros começou no dia em que saiu da maternidade a bordo de um Dodge Charger R/T. (www.garagemdobellote.com.br)