Um dos modelos mais icônicos e clássicos da história da Ferrari poderá “ressuscitar” dentro de dois anos, ao menos é o que afirma Sergio Marchionne, presidente do Grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA) o qual a marca italiana pertence.

Em entrevista ao site Autocar, Marchionne disse que a reutilização do nome Dino “não é questão de se, mas de quando”. O mandatário ainda revelou alguns detalhes, como a utilização de um motor central traseiro com cerca de 500 cv de potência. O bloco seria um V6 dotado de dois turbos, capaz de levar o carro da imobilidade aos 100 km/h em menos de 3.5 segundos e alcançando a velocidade máxima de 322 km/h.

Marchionne também disse que colocar um motor dianteiro apenas para tornar o modelo mais barato seria um erro e que a nova versão da Dino deve ser “bem feito”. Em termos de preços, a novidade será mais cara que a California T, mas só deverá chegar ao mercado em dois anos, mais de quatro décadas após a produção do último modelo Dino.

*Na galeria: projeção da nova Ferrari Dino por Frederik Tjellesen e Ferrari Dino 206 GT de 1968.