Nos últimos meses nenhum segmento teve tantos lançamentos como o de utilitários esportivos. Além dos aguardadíssimos Honda HR-V e Jeep Renegade, foram apresentados também o Renault Duster reestilizado e uma versão mais equipada do líder Ford EcoSport. De olho em uma fatia (ainda que pequena) do mercado, a JAC Motors lança no Brasil o T6, quechega custando entre R$ 69.990 e R$ 75.670para concorrer em preço com os modelos citados e encarar no tamanho rivais como Hyundai ix35 e Mitsubishi ASX (que custam na faixa dos R$ 100 mil).

Para ganhar uma configuração abaixo dos R$ 70 mil, o T6 teve de abrir mão da pintura e do rebatimento elétrico dos retrovisores, das barras longitudinais de teto e de alguns detalhes de acabamento. O conjunto mecânico, formado pelo motor de quatro cilindros de 2.0 litros flex – capaz de gerar até 160 cv de potência e 20,6 kgfm de torque com etanol – e câmbio manual de cinco marchas é comum às três versões do utilitário, que mede 4,47 metros de comprimento, 1,84 m de largura, 1,67 de altura, 2,64 m de distância entre-eixos e leva 610 litros de bagagem no porta-malas.

Com preços de SUV pequeno e porte de utilitário médio, o T6 aposta também em uma lista de itens de série robusta. O modelo sai de fábrica equipado com ar-condicionado, direção elétrica, banco do motorista e volante revestido em couro com ajuste de altura, faróis e lanternas de neblina, rodas de liga leve de 17 polegadas, freios com ABS, airbags frontais, sistema de som, entre outros.

No pacote de R$ 71.990 há o acréscimo dos itens estéticos excluídos da versão de entrada, enquanto a configuração de R$ 75.670 adiciona central multimídia com rádio, câmera de ré, Bluetooth e integração com celular. O recurso, bastante útil para visualizar aplicativos de trânsito como o Waze, permite “espelhar” o smartphone na tela de sete polegadas no painel do carro.

Veja no vídeo abaixo o primeiro comparativo do JAC T6 com o Hyundai ix35

Câmbio automático somente no ano que vem

Com todos esses predicados, entretanto, o T6 estreia no país sem a opção de câmbio automático, item cada vez mais requisitado pelos compradores de SUVs. De acordo com a JAC, esse tipo de transmissão estará disponível apenas no ano que vem em uma versão equipada com motor 2.0 turbo movida apenas a gasolina. Segundo Sérgio Habib, presidente da fabricante chinesa no Brasil, “adaptar uma motorização turbo para a tecnologia flex é um processo complexo e caro”.

Desempenho não empolga e nem decepciona

Com potência superior ao da maioria dos concorrentes equipados com motores flex, o T6 tem comportamento satisfatório para a sua proposta devido o alto peso, que beira os 1.500 quilos. Por entregar o torque máximo a 4.000 rotações por minuto, o motor do SUV fica mais esperto quando funciona “cheio”, acima dos 3.000 rpm. Ainda assim, obriga o motorista a fazer reduções de marchas em retomadas, ladeiras e ultrapassagens.

Boa parte do teste-drive do T6 foi feita em uma estrada bastante sinuosa e repleta de subidas, ideal para avaliar o comportamento do modelo em curvas. Apesar de contar com suspensão independente na traseira, o T6 tem rodar macio, que privilegia o conforto pretendido pelo público desse tipo de veículo (afinal, quem vai extrapolar os limites de um utilitário em curvas?). Os únicos incômodos durante a avaliação foram os solavancos provocados ao passar devagar por algumas lombadas. A sensação era de que a suspensão traseira voltava bruscamente à sua posição normal após absorver o impacto com o obstáculo.

Confira no vídeo abaixo como foi a avaliação da versão turbo

Por dentro, o SUV chinês agrada pelo bom isolamento acústico (o ruído mais notado era o da rolagem dos pneus a velocidades de cruzeiro em rodovias) e o espaço interno é suficiente para levar cinco pessoas sem apertos. O banco traseiro acomoda sem dificuldades três adultos de até 1,80 m – há cintos de segurança de três pontos e encostos de cabeça para todos.

O acabamento da cabine, um dos principais motivos de críticas dos carros chineses, não deve em nada se comparado com os dos rivais nacionais. Há material emborrachado nas portas e aplique que imita madeira no painel. O plástico utilizado em todo o interior do carro lembra bastante o do Hyundai ix35, por exemplo.

Com previsão de vender 3.600 unidades do T6 neste ano, a JAC espera representar 1% do mercado de SUVs em 2015. De acordo com a marca, a versão mais cara responderá por 90% do mix de vendas. O T6 tem alguns pontos a evoluir, bem como os modelos nacionais, mas pode balançar o consumidor que está prestes a comprar um utilitário compacto e se depara com uma opção bem equipada e mais generosa em espaço. A falta da transmissão automática parece ser mesmo o principal empecilho para o JAC incomodar de verdade a concorrência.

Teste-drive a convite da JAC Motors

Ficha técnica

ModeloJAC T6
Preçoa partir de R$ 69.990
Motorquatro cilindros, 2.0 litros, 16 válvulas, comando variável
Cilindrada (cm³)1.997
Potência (gasolina/etanol)155/160 cv a 6.000 rpm
Torque (gasolina/etanol)19,9/20,5 kgfm a 3.500 rpm
Freios dianteirosDiscos ventilados
Freios traseirosDiscos sólidos
Suspensão dianteiraIndependente, McPherson, molas helicoidais
Suspensão traseiraIndependente, Multilink, molas helicoidais
RodasLiga leve de 17 polegadas
Pneus225/60 R16
DireçãoElétrica
Peso em ordem de marcha (kg)1.460
Comprimento (metros)4,47
Largura (m)1,84
Altura (m)1,67
Distância entre-eixos (m)2,64
Tanque (litros)n/d
Porta-malas (litros)610
TransmissãoManual de cinco marchas