Novo Renault Duster 2016. Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem / Renault

Em meio aos lançamentos de Honda HR-V, Jeep Renegade e Peugeot 2008 (este último será lançado oficialmente na próxima segunda-feira, 6 de abril), a Renault apresentou nesta semana a linha 2016 do Duster. O utilitário compacto vendido no Brasil desde 2011 chega às concessionárias da marca na segunda quinzena do mês com visual retocado, melhorias no acabamento e ajustes nas já conhecidas motorizações de 1.6 e 2.0 litros.

As mudanças mais notórias estão no exterior, que ganhou para-choques com apliques prateados, faróis redesenhados e novas lanternas com iluminação de LED. Apesar das alterações, o Duster manteve o jeitão parrudo, caracterizado pelos para-lamas ressaltados. De acordo com o presidente da Renault do Brasil, Olivier Murguet, “o Duster é um carro difícil de ser atualizado visualmente devido o seu visual bastante robusto”.

Já a cabine recebeu novos revestimentos nos bancos, como couro de duas tonalidades, acabamento em plástico preto brilhante no console central, além do volante e painel de instrumentos com iluminação branca adotados nos novos Logan e Sandero. Na versão Dynamique 4×4, o painel recebeu elementos na cor marrom para remeter à aptidão off-road.

A central multimídia Media NAV também foi revista e foi rebatizada de Media NAV Evolution. O equipamento com tela sensível ao toque passa a trazer novos recursos, como GPS com informações do trânsito em tempo real, previsão do tempo e acesso às redes sociais por meio do aplicativo Aha (não há cobrança pelo serviço).

Sob o capô

Os motores 1.6 e 2.0, ambos com cabeçotes de 16 válvulas, tiveram a injeção de combustível e o sistema de admissão melhorados para favorecerem a potência e o torque. O propulsor menor, que desenvolve 110/115 cv (gasolina/etanol), ganhou 1,0 kgfm de torque, chegando a 14,6 kgfm a 2.500 rpm quando abastecido com etanol. Apenas com gasolina no tanque, o ganho foi de 0,5 kgfm, totalizando 14,1 kgfm.

O motor de 2.0 litros teve um acréscimo de 6 cv com etanol, totalizando 148 cv. O torque com o combustível vegetal subiu de 17 para 18,1 kgfm a partir de 2.250 giros. O pico de força, entretanto, sofreu uma redução de 20,9 kgfm a 3.750 rpm para 20,7 kgfm a 5.750 rpm.

As transmissões, entretanto, não sofreram alterações. As versões com motor 1.6 são equipadas com a caixa manual de cinco marchas, enquanto as 2.0 contam com o câmbio manual de seis velocidades ou a antiquada automática de quatro (sim, quatro) marchas.

Confira abaixo os preços e principais equipamentos do Renault Duster 2016:

Expression 1.6 16V (R$ 62.990): ar-condicionado; direção hidráulica; airbag duplo; freios com ABS; volante com regulagem de altura; faróis com máscara negra; limpador e desembaçador do vidro traseiro; brake light; rodas de aço de 16 polegadas; retrovisores na cor preta; rádio CD MP3/USB/Bluetooth; vidros elétricos; alarme perimétrico; banco do motorista com regulagem de altura; rack de teto.

Dynamique 1.6 16V (R$ 67.990): itens da Expression, mais faróis de neblina; central multimídia Media NAV Evolution; para-choques na cor da carroceria; rodas de liga leve de 16 polegadas; piloto automático; retrovisores com regulagem elétrica; sensor de estacionamento; computador de bordo; tomada de 12 Volts no compartimento traseiro; vidro do motorista com função “um toque”, entre outros.

Dynamique 2.0 16V (R$ 72.990): além da motorização de 2.0 litros, há o acréscimo do câmbio manual de seis marchas.

Dynamique 2.0 16V A/T (R$ 75.990): adição da caixa automática de quatro marchas.

Dynamique 2.0 16V 4×4 (R$ 78.490): mesmos equipamentos da Dynamique 4×2, mais câmera de ré; rodas de liga leve de 16 polegadas na cor cinza escuro e sistema de tração 4×4 com bloqueio de diferencial.

SUVS compactos

 
Jeep Renegade (Sport)
Honda HR-V
Ford EcoSport
Renault Duster
Comprimento (metros):4,234,294,244,31
Altura (metros):1,661,581,691,63
Largura (m):1,791,771,761,82
Entre-eixos (m):2,572,612,522,67
Porta-malas (litros):260431362 475

Impressões

As mudanças internas foram um tanto discretas, mas fizeram bem ao Duster. O novo volante é de melhor pegada, mas bem que poderia ter regulagem de profundidade. A ergonomia do SUV da Renault é boa, mas há algumas soluções um tanto confusas, como o posicionamento do botão de ajuste dos retrovisores, posicionado no console central, logo abaixo da alavanca de freio de estacionamento.

Além dos retoques estéticos, o interior do jipinho ficou mais agradável por conta das melhorias no isolamento acústico, que filtra com maior eficiência os ruídos do motor e da rolagem dos pneus. Mas o barulho do vento ao rodar com o veículo na estrada incomoda, principalmente a velocidades superiores a 100 km/h, embora a Renault afirme que o modelo ganhou uma vedação extra.

Com o motor 1.6 de 115 cv, o Duster avaliado sofreu para empurrar os seus 1.258 quilos, além dos quatro ocupantes que estavam a bordo. O propulsor demorava a subir o giro e situações de ultrapassagens na estrada ou encarar uma ladeira mais íngreme na cidade se tornaram tarefas que exigiram certa paciência do condutor. O câmbio manual de cinco marchas, se tivesse engates mais precisos, deixaria a condução menos sofrível.

Novo Renault Duster 2016. Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem / Renault

Equipado com o propulsor de 2.0 litros de 148 cv, o Duster parece outro carro. O desempenho é condizente com a sua proposta. As ultrapassagens são realizadas com maior segurança e retomadas podem ser feitas sem tantas reduções de marcha. A caixa manual de seis velocidades apresenta maior precisão e engates mais macios que a transmissão de cinco marchas.

Antes renegado (com o perdão do trocadilho) a uma versão de nicho dentro da gama, o Duster 4×4 não recebia muita atenção por parte da Renault, que aposta nessa configuração como uma opção interessante até R$ 80 mil. Segundo a marca, o concorrente mais próximo do Duster 4×4 era o Mitusbishi Pajero TR4, descontinuado no final do ano passado – o Jeep Renegade é desconsiderado por oferecer o sistema de tração integral apenas com a motorização turbodiesel, além de custar muito mais caro.

De acordo com a Renault, as versões com motor 1.6 serão responsáveis por cerca de 75% do mix de vendas – 50% da Dynamique e 25% da Expression. A marca estima que as configurações equipadas com o propulsor 2.0, cujos preços variam entre R$ 72.990 e R$ 78.490, sentirão maior impacto diante da concorrência dos novos modelos do mercado. Ainda assim, a fabricante espera que o Duster mantenha, ao menos, a vice-liderança do segmento se apoiando nas suas principais virtudes: espaço interno e robustez. De qualquer forma, o modelo terá uma árdua tarefa pela frente, uma vez que os novos rivais chegam com projetos mais modernos e maior oferta de equipamentos. A segunda geração do Duster só deverá ser lançada em 2017, montada sobre uma nova plataforma e com a opção de sete lugares, segundo rumores da imprensa europeia.

Teste-drive a convite da Renault