Volkswagen-Jetta_2015_1280x960_wallpaper_01

Aproveitando o lançamento do Golf de sétima geração, a Volkswagen também apresentou ao mercado argentino o Jetta reestilizado. Importado do México, como o hatch, o sedã (vendido lá e em outros mercados com o nome Vento) é comercializado com uma motorização a diesel e duas a gasolina – a 2.0 TSI de 211 cv deixou de ser oferecida. Os preços vão de 209.790 pesos (cerca de R$ 63.838) a 266.700 (R$ 81.156).

Advance 2.0: 209.790 pesos (R$ 63.838)

Advance 2.0 TDI: 253.910 pesos (R$ 77.264)

Advance Plus 2.5: 237.800 pesos (R$ 72.361)

Advance Plus 2.5 A/T: 248.200 pesos (R$ 75.526)

Luxury 2.5: 256.300 pesos (R$ 77.991)

Luxury 2.5 A/T: 266.700 pesos (R$ 81.156)

A configuração de entrada, a Advance, sai de fábrica equipada com rodas de liga leve de 15 polegadas, detector de fadiga do motorista, controles eletrônicos de estabilidade e tração, sistema Isofix de ancoragem de cadeirinhas infantis, airbags frontais, freios com ABS, ar-condicionado, sistema de áudio com USB/CD/MP3/SD, entre outros. Os motores disponíveis são o 2.0 de oito válvulas de 115 cv movido a gasolina ou 2.0 TDI a diesel de 110 cv. A única transmissão disponível é a manual de cinco marchas.

Já a versão intermediária, a Advance Plus, adiciona rodas de 16 polegadas, airbags de cortina, teto solar, controle de cruzeiro, ar-condicionado de duas zonas e sistema de áuido mais sofisticado com Bluetooth. A motorização é a 2.5 de cinco cilindros de 170 cv, com a câmbio manual de cinco velocidades ou automático Tiptronic de seis marchas.

Na Luxury, disponível somente com o motor de 2.5 litros, há o acréscimo de alerta de ponto-cego, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro e bancos de couro. As transmissões disponíveis são as mesmas da Advance Plus.

 

Em setembro de 2014, a Volkswagen anunciou a produção do Jetta na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) a partir do primeiro semestre deste ano para complementar a importação dos carros provenientes do México. Embora a adaptação da linha de montagem faça parte de um plano de expansão da marca no Brasil até 2018 – com investimentos na casa dos R$ 10 bilhões -, a Volkswagen não atravessa um bom momento no Brasil. A empresa demitiu, na última semana, 800 funcionários da unidade fabril do ABC paulista e ainda viu o Gol perder a liderança nas vendas após 27 anos de domínio no mercado nacional.

Atualmente, a linha Jetta é composta por versões equipadas com o bloco de 2.0 litros e o 2.0 TSI. Apesar de rumores apontarem para a utilização da motorização de 1.4 litro TSI reformulada para consumir etanol, a Volkswagen ainda não confirmou nenhuma mudança técnica no carro a ser produzido em solo brasileiro.