SONY DSC

Ao lançar a linha 2014 da Strada, em outubro do ano passado, a Fiat frisou que pretendia comercializar cerca de 13 mil unidades por mês da picape para manter a hegemonia do segmento, assegurada há 14 anos. Para isso, a marca sediada em Betim (MG) promoveu alterações pontuais no modelo (como novos equipamentos de série, painel de instrumentos redesenhado e novas lanternas), aumentou a capacidade da caçamba e inovou ao lançar a terceira porta para as configurações de cabine dupla. A estratégia fez com que a picapinha superasse as expectativas da fabricante, chegando a ser o carro mais vendido do Brasil em março.

Atualmente, a Strada ocupa a terceira posição do ranking geral do mercado nacional. Segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o modelo fechou o mês de setembro com 114.954 unidades vendidas, ficando atrás apenas do Volkswagen Gol (134.729 carros) e Fiat Palio (128.765 exemplares). Na comparação com as demais picapes pequenas, a Strada dá um banho nas rivais Volkswagen Saveiro e Chevrolet Montana, que tiveram 56.492 e 25.489 unidades comercializadas nos primeiros nove meses do ano, respectivamente.

A versão mais vendida da Strada, a Working, corresponde a 55% do mix de vendas do modelo — a configuração de cabine simples é responsável por 30% do volume total da picape. Com preço inicial de R$ 37.070, a picape sai de fábrica equipada com o motor Fire de 1.4 litro flex, que desenvolve 85/86 cv de potência a 5.750 rpm (gasolina/etanol) e 12,4/12,5 kgfm de torque a 3.500 rpm (g/e). A transmissão é manual de cinco marchas.

Mais voltadas para o lazer e o uso urbano, apesar dos apetrechos e estilo fora-de-estrada, as configurações Adventure representam 35% do mix, com a versão de cabine dupla como a segunda mais vendida da linha Strada (25% do total).

%%wppa%% %%slide=569%%

De série, a Strada Working básica traz os obrigatórios airbags frontais, freios com ABS (antitravamento) e EBD (distribuidor eletrônico de frenagem); retrovisores com regulagem interna; protetor de caçamba; computador de bordo com seis funções; vidros verdes; rodas de aço de 14 polegadas com calotas e pneus 175/70 R14, entre outros. Itens como ar-condicionado e direção hidráulica podem ser adquiridos juntos a partir do pacote Celebration 2 (R$ 5.233), que acrescenta volante com regulagem de altura; vidros e travas com acionamento elétrico; abertura elétrica do bocal de abastecimento; para-brisas degradê e predisposição para rádio com dois alto-falantes e antena. No kit Celebration 1 (R$ 2.747) não há o climatizador.

Por conta das mudanças promovidas há quase um ano, a Strada de cabine simples teve a capacidade da caçamba ampliada em 100 litros graças a um ganho de oito centímetros na altura do compartimento, que passou a ter 1.220 litros de capacidade. Nessa configuração, a picape pode carregar até 705 quilos de carga.

Impressões

Na configuração voltada ao trabalho, a Strada é um veículo funcional, porém sem deixar de oferecer o mínimo de conforto aos seus ocupantes. Na versão cabine simples o espaço é adequado apenas para que condutor e passageiro não fiquem demasiadamente próximos do painel. O acabamento é simples, mas montado com peças plásticas bem encaixadas e sem rebarbas. O aspecto da cabine transmite a sensação de robustez que se espera desse tipo de veículo.

Ao volante (que fica excessivamente inclinado caso não tenha a regulagem de altura, oferecida como opcional), a picapinha esbanja um desempenho adequado para a sua proposta. Nada de acelerações vigorosas como as configurações Adventure com motor de 1.8 litro. O propulsor de 1.4 litro da Strada “trabalhadora” exige reduções de marchas e certa cautela em situações de ultrapassagens e ladeiras mesmo com a caçamba vazia, mas não é algo que desabone as qualidades de veículo de carga deste modelo. As suspensões da Strada têm um bom acerto para enfrentar o dia-a-dia em ruas esburacadas das grandes cidades e até mesmo estradas acidentadas de zonas rurais. Como ocorre com a maioria dos veículos dessa categoria, as trepidações na traseira são frequentes ao enfrentar pisos irregulares, mas a Strada proporciona um rodar mais macio que o da arquirrival Saveiro, por exemplo.

Fiat Strada Working 1.4

Teste Carsale-Mauá
 
Cidade
Estrada
0 a 100 km/h
Etanol8,31 km/l10,4 km/l15,05 segundos
Gasolina10,8 km/l14,8 km/l15,67 segundos

Embora ainda mantenha “heranças genéticas” da primeira geração do Palio, lançada há quase 20 anos, a Strada mostra, com o seu bom desempenho no mercado, que as mudanças promovidas pela Fiat no ano passado foram pontuais para a manutenção da liderança do segmento. Além disso, a picape conta com uma maior variedade de configurações e de motorizações em relação à concorrência. Enquanto isso,a Volkswagen tenta correr atrás do prejuízo com as recém-lançadas versões de cabine dupla da Saveiro.

Ficha técnica
PreçoR$ 37.070
Motor1.4 litro 8 válvulas
Cilindrada (cm³)1.368
Potência (etanol/gasolina)85/86 cv
Torque (e/g)12,4/12,5 kgfm
Freios dianteirosDisco ventilado
Freios traseirosTambor
Suspensão dianteiraMcPherson
Suspensão traseiraEixo rígido tipo ômega
DireçãoMecânica, com pinhão e cremalheira
RodasAço 14 polegadas
Pneus175/70 R14
Peso em ordem de marcha1.084 kg
Comprimento (metros)4,43
Largura (m)1,66
Altura (m)1,59
Distância entre-eixos (m)2,71
Capacidade da caçamba (litros)1.220
Tanque (litros)58
Ocupantes2
Capacidade de carga705 kg