suzuki swiftabre

Conhecida por seus modelos de apelo fora-de-estrada (como o hatch SX4, o jipinho Jimny e o SUV Grand Vitara), a Suzuki começará a vender no Brasil a partir da segunda quinzena de setembro o compacto Swift. Importado do Japão, o hatchback desembarca no País nas versões Sport (R$ 74.990) e Sport R (R$ 81.990) para ser o carro de imagem da marca.

A Suzuki posiciona o Swift para concorrer com compactos premium e de nicho, como Audi A1 (parte de R$ 91.700), Citroën DS3 (R$ 86.990) e MINI One (R$ 89.950). A diferença de preços chega a 23% quando comparadas as configurações de entrada do Suzuki com a do A1.

Embora custe o mesmo que um sedã médio, o Swift Sport é o tipo de carro feito para entreter quem está ao volante. O interior do compacto é exíguo para quatro adultos com mais de 1,70 m de altura e conta com acabamento simples e repleto de plástico duro. O porta-malas do hatch de 3,89 m de comprimento e 2,40 m de distância entre-eixos acomoda apenas 212 litros de bagagem.

Sob o capô, o Swift leva um motor todo em alumínio de 1.6 litro de 16 válvulas, aspirado, com comando de válvulas variável na admissão, capaz de entregar 142 cv de potência e 17 kgfm de torque a 4.400 rpm. A pegada esportiva do hatch é reforçada pelo câmbio manual de seis marchas com engates curtos (não há previsão de oferecê-lo com transmissão automática).

%%wppa%% %%slide=472%%

Confira abaixo os principais equipamentos de série das versões do Suzuki Swift:

Sport: seis airbags (frontais, laterais e cortina); freios com ABS (antitravamento), ESP (distribuidor de frenagem) e BAS (assistente de frenagem); controles de estabilidade e tração; chave presencial com botão para partida no painel; sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis no banco traseiro; faróis bi-xenônio com lavadores; faróis de neblina; escapamento em aço inoxidável com ponteira dupla; alarme; ar-condicionado digital; direção com assistência elétrica; volante com ajustes de altura e profundidade; sistema de áudio com CD/MP3/USB e Bluetooth; piloto automático; computador de bordo; rodas de liga leve de 16 polegadas calçadas em pneus Yokohama 195/60 R16, entre outros.

Sport R: acrescenta retrovisores externos elétricos com pisca integrado; emblemas “R”; pintura de teto; sensor de estacionamento traseiro; cobertura do motor pintada em vermelho; rodas de liga leve de 17 polegadas e pneus Pirelli PZero 205/45 R17 e câmbio com relações encurtadas.

A Suzuki ainda oferece como opcional para a versão mais cara uma central multimídia com tela sensível ao toque, DVD, entrada para cartão SD e GPS. O equipamento tem preço sugerido de R$ 4 mil.

Aposta na relação peso-potência

Logo de cara o Swift Sport pode não impressionar se o comparamos com os rivais dotados de motores turbinados mais potentes, mas a estratégia da Suzuki é simplesmente apostar na relação-peso potência de 7,5 kg/cv (além do preço menor) para justificar a sua compra perante os concorrentes. Segundo a marca japonesa, o compacto de 1.065 kg acelera de 0 a 100 km/h em 8.7 segundos e atinge a velocidade máxima de 210 km/h.

A Suzuki realizou o teste-drive do Swift Sport no autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu (SP), justamente para mostrar a capacidade dinâmica do carro. No traçado de pouco mais de quatro quilômetros foi possível comprovar o excelente acerto de suspensão do compacto. O hatch contorna curvas mais fechadas com uma desenvoltura de fazer inveja a muito esportivo de preço superior.

O carro fica mais esperto quando o motor passa dos 4 mil giros, deixando a condução ainda mais divertida em retomadas. Na versão Sport R, o desempenho é ligeiramente superior por conta do câmbio com relações mais curtas. A diferença é sentida principalmente em saídas de curvas. Mesmo após diversas voltas no autódromo e inúmeras frenagens, o carro não demonstrou nenhum tipo de fadiga dos freios.

No breve contato com o Swift Sport foi possível constatar que o carrinho tem qualidades que agradam principalmente quem gosta de dirigir. O principal ponto negativo é realmente o preço. O Swift certamente teria mais espaço no mercado brasileiro se “baixasse a bola” e tivesse a sua configuração de equipamentos modificada para brigar na categoria ocupada por Fiat Punto, Ford New Fiesta, entre outros.

Teste-drive a convite da Suzuki.