cross-off-road

Se você é fã dos aventureiros talvez já tenha se deparado a seguinte dúvida: e se o carro tiver uma versão com roupagem aventureira, o que muda efetivamente? Para fazer a escolha certa e não se arrepender depois, o Cesvi (Centro de Experimentação e Segurança Viária) reuniu algumas dicas com tudo que você precisa saber sobre esse tipo de veículo. Além disso, explica de maneira fácil a diferença entre os carros verdadeiramente feitos para o fora de estrada e os modelos com apelo “cross”.

Confira abaixo os mitos e verdades dessa história.

Fora de estrada

Os verdadeiros off-road, ou fora de estrada, são automóveis usados com o objetivo de passar por terrenos irregulares, que exigem maior esforço do veículo.

Esses modelos têm carrocerias mais robusta, com particularidades construtivas e mecânicas que realmente os diferenciam dos automóveis de passeio comuns. Como exemplos dessas particularidades estão a tração nas quatro rodas, chassi e suspensão diferenciados, altura maior em relação ao solo, altura maior no ângulo de ataque e ângulo de saída (o ângulo de ataque é formado pelo ângulo entre a parte mais saliente à frente do veículo e o solo, e o ângulo de saída é o ângulo entre a parte mais saliente na traseira do veículo e o solo) pneus específicos para terrenos irregulares – os sulcos dos pneus são maiores e mais robustos que os pneus para asfalto, proporcionando maiores possibilidades de tração.

Roupagem off-road (cross)

Ultimamente, as montadoras aderiram à opção de dar um ar de veículo off-road para automóveis de passeio. Na maioria das vezes, as alterações têm foco só na estética. Os veículos não são transformados em verdadeiros off-road – só ganham uma “roupagem” diferente.

As alterações nesse tipo de veículos podem ser conferidas na galeria abaixo:

%%wppa%% %%slide=410%%

Fique atento

Por não passarem por grandes alterações nas partes mecânicas, os veículos com roupagem off-road geralmente não são modificados a ponto de enfrentar terrenos muito acidentados ou irregulares. Não há tração nas quatro rodas, por exemplo.

É importante que o consumidor saiba disso, para não comprar um veículo atraído pela estética, mas visando à utilização em situações que só um autêntico fora de estrada é capaz de enfrentar.