trollerabre

A Ford revelou, enfim, o preço da nova geração do jipe Troller T4: R$ 110.990. Totalmente renovado, o modelo produzido na cidade cearense de Horizonte chegará às concessionárias no começo de setembro. Com desenho baseado no conceito TR-X, mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo de 2012, o novo T4 passa a trazer equipamentos comuns em carros de passeio, porém sem perder a essência de veículo robusto e apto a encarar praticamente qualquer tipo de terreno.

Montada sobre um chassi de perfil retangular e estrutura tubular, a carroceria do jipe é feita de um compósito que mescla fibra de vidro e aço. Além disso, o T4 ficou mais generoso nas dimensões (distância entre-eixos, por exemplo, passou de 2,41 metros para 2,58 m, por exemplo) e mais parrudo na aparência.

Da picape Ranger o T4 herdou peças de acabamento, como painel e volante, e o imponente conjunto motriz formado pelo motor de cinco cilindros de 3.2 litros turbodiesel, que desenvolve 200 cv de potência e 47,9 kgfm de torque, e câmbio manual de seis marchas. Já o sistema de tração manteve os três modos com acionamento eletrônico: 4×2 (traseira), 4×4 e 4×4 com reduzida. A fabricante informa que o jipe tem consumo médio de 9,8 km/l na cidade e 12,3 km/l na estrada.

[wppa type=”slide” album=”330″][/wppa]

O T4 sai de fábrica equipado com direção hidráulica, ar-condicionado automático de duas zonas, vidros, travas e espelhos elétricos, teto solar duplo, rádio com conectividade via Bluetooth e USB, rodas de liga leve de 17 polegadas, calçadas em pneus de uso misto (70% asfalto e 30% off-road), freios com ABS, entre outros. O modelo não possui os airbags frontais pelo fato de a categoria em que está enquadrado não exigir o equipamento, segundo a Ford. A fabricante diz ainda que as bolsas podem ser acionadas inadvertidamente durante uma trilha.

Para produzir o novo T4, a fábrica da Troller, em Horizonte (CE), recebeu cerca de R$ 215 milhões em investimentos e é capaz de produzir 220 veículos por mês. Durante o desenvolvimento do jipe, a fabricante mirou tanto os clientes que praticam atividades ao ar livre nos finais de semana como os competidores profissionais e empresas que necessitam de veículos com capacidade fora-de-estrada. A meta da Troller é vender aproximadamente 3 mil unidades por ano.

Quanto menos asfalto, melhor

Dirigir o T4 no asfalto não é uma tarefa das mais agradáveis. A visibilidade do jipão é limitada, o que demanda maior atenção do motorista ao trafegar na cidade. Na hora de estacionar, é preciso tomar cuidado para não encostar o estepe pendurado na tampa em outro veículo – o T4 não possui sensor de estacionamento ou câmera de ré, itens dispensáveis em trilhas. Por conta da suspensão de curso mais longo e da grande altura em relação ao solo, o veículo inclina bastante em curvas e não transmite muita segurança ao condutor. O câmbio tem engates duros e imprecisos, o que acaba cansando rapidamente no trânsito urbano. Além disso, o espaço interno é limitado a dois adultos na frente e duas crianças atrás.

Vale lembrar que o T4 foi criado para enfrentar terrenos acidentados, e é aí que ele mostra todas as suas virtudes. O motorzão turbodiesel mostra força de sobra para encarar trechos de areia, lama ou terra. Se a situação ficar ainda mais complicada, é possível recorrer à reduzida para aumentar o torque transferido às quatro rodas. Outro ponto positivo do novo Troller é o bom isolamento acústico, que “filtra” praticamente todo o ruído emitido pelo motor.

Viagem a convite da Ford.