fotocapa

O utilitário já foi o sonho de consumo de muitos desde o seu lançamento em 1993. Com o preço de R$ 239.900, a versão a diesel do Grand Cherokee ainda arranca muitos suspiros de seus admiradores.

O modelo manteve a motorização V6 turbo de 3,0 litros que desenvolve a potência de 241 cv a 4.000 rpm e torque de 56,1 kgfm de 1.800 a 2.800 rpm. O desempenho não deixa ninguém na mão, com aceleração de 0 a 100 km/h em 8,2 segundos e velocidade máxima de 202 km/h.

O tanque de 93 litros impressiona pela a autonomia que, segundo a marca, pode ultrapassar 1.400 km, com um consumo de 13,3 km/l na estrada e 10,8 km/l em uso urbano.

A nova caixa automática de oito velocidades completa o bom resultado do modelo. A manopla do câmbio causa um estanhamento no início mas as trocas rápidas e suaves facilitam para qualquer um se acostumar rapidamente. Quem curte uma pegada mais esportiva, pode realizar as trocas por aletas, as famosas “borboletas” atrás do volante.

Além disso, as mudanças estéticas se destacam no veículo, como a nova frente com faróis de duplo xenônio e lanternas de LEDs. A fachada ligeiramente elevada garante uma dianteira mais encorpada. Na parte interna as opções de conforto são inúmeras. O painel ganhou um quadro de instrumentos com mais de 100 opções de configurações e uma tela multímidia de 8,4 polegadas sensível ao toque, além disso, há duas opções de cores (preto e bege) na cabine, Já as chaves presenciais tem memória para até dois motoristas.

%%wppa%% %%slide=169%%

Primeiras impressões

O Carsale rodou com o Grand Cherokee diesel na região serrana de Campos do Jordão (SP), em um test-drive com direito a trechos urbanos asfaltados e uma trilha fora de estrada. O percurso em terra tinha um nível de obstáculos mediano, o que o SUV enfrentou com maestria. Com a tração 4×4 integral Quadra-Trac II e várias configurações no seletor de Selec-Terrain, o modelo aguenta qualquer terreno com as opções neve, lama, areia e pedras e automático, além do controle Selec-Speed, para ajudar em subidas e descidas íngremes.

E é na terra que o Grand Cherokee revela seu DNA jipeiro, mas com conforto de um carro de luxo. Além do espaço interno, a cabine surpreende pelo silêncio a bordo. O motor só é ouvido em baixas rotações. De acordo com a marca, a aplicação de vidros laminados nas portas dianteiras e paredes isolantes duplas garantem o isolamento acústico.

O futuro da marca

A chegada da nova versão do Grand Cherokee não apenas completa a gama de modelos do utilitário, como lança uma contagem regressiva proposta pela marca. Segundo os executivos, a Jeep pretende voltar a ser a fabricante de utilitários mais importante do País dentro de um ano. Período em que a fábrica de Goiana, em Pernambuco, ficará pronta. Até lá, a marca ainda prepara o lançamento do novo Cherokee no segundo semestre e trará o novojipinho Renegade para o Salão do Automóvel de São Paulo.