Ranger Sport_08

Pronta para abocanhar uma fatia maior do segmento, a Ford relançou a versão Sport da picape Ranger. Com a configuração única de cabine simples disponível desde fevereiro no site da montadora por R$ 67.190, a versão da picape sofreu um reajuste e parte de R$ 67.990 no lançamento oficial, que aconteceu nesta quinta-feira(20), em São Paulo.

A configuração esportiva tem câmbio manual de cinco marchas e tração 4×2 e motorização quatro cilindros de 2.5 litros bicombustível que desenvolve 173 cv de potência com etanol e 168 cv com gasolina (ambos a 5.550 rpm).

O diferencial do modelo está nos adesivos e faixas laterais e apliques plásticos no para-choque, soleiras exclusivas e santantônio. Os equipamentos de série são: faróis de neblina, retrovisores elétricos, travas elétricas com controle remoto, direção hidráulica, ar-condicionado, vidros elétricos, piloto automático, CD/MP3 com USB e Bluetooth, tela LCD de 4,2″, computador de bordo e rodas de liga leve de 17 polegadas. Os cores disponíveis são branco, vermelho, prata, preto e azul(perolizado).

Descontinuada em 2012, a versão Sport volta ao portfólio da linha global composto pelas versões XL (mais comum para frotistas), XLS, XLT e Limited. A principal concorrente a ainda é a líder de mercado, Chevrolet S10, mas a marca ainda quer ganhar os compradores das versões mais completas de picapes pequenas, como Fiat Strada Adventure.

O modelo tem claramente um público-alvo mais jovem que mora em área urbana e pratica esporte no fim de semana. A caçamba é a maior entre as picapes de porte médio, com capacidade de 1.455 kg, acomodando com facilidade motos, pranchas de surf, asa-delta ou outros equipamentos. Isso até explica porque a Sport não terá versão cabine dupla, mas a falta de um câmbio automático é mancada.

%%wppa%% %%slide=85%%

Impressões

Durante o test-drive, composto com trechos urbanos e rodoviários na região metropolitana de São Paulo(SP), a picape avaliada se comportou como o esperado, o motor responde bem e o carro tem boa estabilidade até nas curvas e sem muito “pula-pula”.

O espaço interno é confortável mas não é dos maiores e o acabamento ainda insiste em bastante plástico. A cabine segurou bem o nível de ruído.

Como é bem alta, algumas pessoas vão precisar de uma mãozinha para subir na picape. A alavanca de câmbio é dura e os engates não tão precisos. Os mais baixinhos(ou baixinhas) vão sentir falta da regulagem de altura nos bancos e profundidade no volante, assim fica mais demorado achar uma posição para se acostumar com o veículo.