Vamos ao que interessa: o teste da nova geração do Golf na pista. Para isso escolhemos a versão de entrada, aHighline 1.4 com câmbio manual. E no vídeo da série90 Segundoso hatch (acima) mostra que desde sua configuração menos refinada ele é capaz de arrasar com muitos modelos por aí que se intitulam esportivos.

O principal segredo desse alemão é o seu moderno propulsor 1.4 TSI a gasolina de 140 cv. Achou pouco? Experiente guiá-lo e entenderá como a tendência de deixar os motores menores e mais eficientes (conhecida pelo termo downsizing) não tem nada a ver com a diminuição da dose de diversão. Pelo contrário. Na prática, esse motor surpreende o motorista com suas acelerações e retomadas vigorosas e até parece entregar mais potência do que os 140 cv anunciados pela Volkswagen. Na verdade, essa disposição é resultados dos 25,5 kgfm de torque disponíveis a partir de 1.500 giros.

Outra vantagem desse conjunto de baixa cilidrada fica por conta da economia de combustível, como provou oteste Carsale-Mauáfeito pela equipe de engenheiros do Instituto Mauá de Tecnologia. As médias foram de 12,4 km/l rodando na cidade e 18,1 km/l na estrada. Na prova de aceleração até os 100 km/h ele cravou 9,3 segundos.

E o câmbio manual? Para quem curte cambiar é uma boa pedida. Com engates curtos e precisos é garantia de agilidade.

A sétima geração do Golf chega para provar que não é mais que um rostinho bonito (e novinho em folha). É também sinônimo de mais tecnologia e segurança. Assista ao vídeo90 Segundose descubra quais são os pontos positivos e os vacilos do hatch alemão!

 

[wppa type=”slide” album=”60″][/wppa]