A marca Geely quer distância do estigma que os carros chineses carregam em nosso mercado. Dentetorda da sueca Volvo, a fabricante estreia suas suas atividades com modelo EC7, buscando briga na categoria dos sedãs médios como Linea, Cobalt, Polo Sedã, Fluence.

O sedã começará a ser comercializado em março custando cerca de R$ 50 mil, logo em seguida é a vez do subcompacto GC2, que desembarca por aqui em abril. Seguindo a linha de muitas fabricantes chinesas, o sedã tem como atrativo a quantidade de equipamentos de série. O EC7 traz ar-condicionado digital, rodas de liga leve de 16 polegadas, sistema de som com CD player, vidros, travas e retrovisores com comando elétrico, luzes diurnas de LEDs, sensores de estacionamento traseiros e faróis com acendimento automático entre outros.

Com 4,64 metros de comprimento, 1,79 m de largura, 1,47 m de altura e 2,65 m de entre-eixos, o modelo esbanja espaço interno e capacidade do porta-malas, são impressionantes 670 litros (o Corolla possui 470 litros).

Primeiras Impressões

O Carsale participou um teste-drive do EC7, em trechos urbanos e rodoviários nas imediações de Itu (SP). Antes mesmo de entrar no modelo o design do exterior ja é agradável aos olhos. O EC7 tem linhas mais sóbrias e nenhum detalhe chamativo, o que talvez reflita uma pequena falta de personalidade. As cores possíveis são as tradicionais, preto, prata, cinza, azul e branco.

Por dentro, a cabine tem cor escura predominante. Os bancos são revestidos em couro sintético, que possuem uma textura pouco agradável para quem se aventurar em dirigir de saia no verão brasileiro, por exemplo.

Os materiais mais simples no acabamento e o plástico predominam ao longo do painel, o que nos lembra que estamos lidando com um carro mais barato. O painel também peca pela falta de uma central multimídia que preencha de utilidade tantos botões fantasmas. O volante é comum, sem botões e ajuste de profundidade, mas o dirigir é macio e bastante estável.

Se você acha que o modelo não tem apelo família, pense bem, o EC7 chega com ganchos no padrão Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, e o banco traseiro tem três encostos de cabeça e cintos de três pontos, além dos obrigatórios airbag duplo e freios ABS.

O motor 1.8 de 130 cv movido a gasolina se desenvolve bem, mas não impressiona. Os números já dizem isso, são 16,9 kgfm de torque aos 4.400 rpm que fazem o modelo acelerar de 0 a 100 km/h em 12 segundos, segundo a marca. Vale lembrar que a versão flex chega em julho. Já o câmbio automático chega apenas em 2015.

Mesmo aos mais desconfiados, vale a pena conhecer o EC7. Agora, se o preço mais “em conta” compensa a compra desse sedã, só o tempo dirá.

[wppa type=”slide” album=”33″][/wppa]