Estreando a plataforma NGCC (New Concept of Compact Cars), a segunda geração do Mercedes-Benz Classe B foi lançada na Europa no final de 2011 e estreou no mercado brasileiro em outubro do ano passado, abrindo caminho para outros modelos a serem montados sobre a nova arquitetura de veículos compactos da marca alemã – o hatch Classe A começou a ser vendido no País em abril, enquanto o crossover GLA, apresentado recentemente no Salão de Frankfurt, só chegará às concessionárias europeias em 2014.

Totalmente renovado, o Classe B deixa de lado não só as linhas clássicas de minivan, mas também a motorização aspirada e a transmissão CVT (continuamente variável). Agora, o modelo ostenta visual semelhante ao de um hatchback e leva sob o capô o motor de 1.6 litro turbinado e câmbio automatizado de dupla embreagem de sete velocidades.

Custando a partir de R$ 104.900, o monovolume traz de série direção com assistência elétrica, rodas de liga leve de 16 polegadas, sete airbags (frontais, laterais, cortina e joelho do motorista), freios com ABS (anti-travamento) e EBD (distribuidor de frenagem), controles de estabilidade e tração, auxiliar de partida em aclives, assistente de estacionamento, monitoramente de fadiga do motorista, entre outros itens.

Na configuraçãoB200 Turbo Sport, avaliada pelo Carsale, o preço do carro sobe a R$ 115.900 ao acrescentar rodas de 18 polegadas, suspensão rebaixada com amortecedores auto-ajustáveis, ponteira dupla de escape (não disponíveis na unidade avaliada), difusor traseiro, freios com discos dianteiros perfurados e pinças na cor cinza, frisos cromados, apliques da cabine e pedaleiras em alumínio, ar-condicionado automático, iluminação interna em LED, bancos, volante e painéis das portas revestidos em couro, faróis bi-xenônio, LEDs diurnos e repetidores de seta nos retrovisores.

Embora o nome da versão remeta à esportividade, o B200 Turbo Sport leva essa pegada mais agressiva apenas no estilo, para atrair jovens casais e famílias que não querem ser transportados em um carro com aparência mais sisuda.

Na época do lançamento no Brasil, há quase um ano, a Mercedes-Benz estimava entregar cerca de 200 unidades do modelos por mês, mas a média de vendas do monovolume em 2013 ficou um pouco acima da metade da meta: 864 carros vendidos entre janeiro e agosto (108 veículos a cada mês).Os dados são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Eficiência, a gente vê por aqui

Fazendo jus ao conceito de eficiência energética BlueEfficiency da Mercedes-Benz, o B200 faz valer o investimento da marca no desenvolvimento de tecnologias que favoreçam a economia de combustível e a redução das emissões – o modelo é equipado com o sistema start/stop, que desliga o motor em breves paradas.

O bloco turbinado de 1.6 litro de 156 cavalos de potência e 25,5 kgfm de torque, disponíveis entre 1.250 e 4 mil rpm, é equipado com injeção direta de combustível e mostra um apetite por gasolina bastante moderado. Durante o teste, a minivan de 1.425 quilos apresentou um consumo médio de 12 km/l. As melhores marcas aferidas pelo Carsale foram de impressionantes 14,4 km/l rodando na cidade e 16 km/l na estrada. Vale lembrar que o modo de condução mais econômico e o sistema start/stop estavam ativados.

Na avaliação realizada na pista detestes do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT), os consumos urbano e rodoviário foram de 9,9 km/l e 16,1 km/l, respectivamente.

A Mercedes-Benz não divulga os dados de consumo, mas diz que o B200 acelera de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos e atinge a velocidade máxima de 220 km/h.No teste do IMT, o monovolume cumpriu a aceleração em 8,54 segundos e realizou a retomada de 80 a 120 km/h em 6,86 segundos.

Minivan com alma de hatchback

A nova geração do Classe B deixou de utilizar o chassi construído em dois níveis para aumentar a resistência em caso de colisão para ser montada sobre uma estrutura simples, porém construída com aços e estruturas de maior resistência. Diferentemente do modelo anterior, cuja posição de dirigir e o painel eram elevados, o B200 permite ao condutor regular o banco mais próximo ao assoalho. Já a cabine – bem acabada com o já conhecido padrão Mercedes-Benz – acomoda bem cinco adultos por conta da distância entre-eixos de 2,69 metros. Medindo 4,35 m de comprimento, 1,55 m de altura e 1,78 m de largura, o monovolume também disponibiliza um bom espaço no porta-malas: 486 litros de capacidade.

Ao volante, o B200 Turbo Sport consegue ser um carro confortável de dirigir no trânsito urbano e em longas viagens e, ao mesmo tempo, proporciona uma modesta diversão ao motorista. O motor tem desempenho bastante satisfatório para a proposta do veículo e não nega fôlego em subidas e ultrapassagens. O câmbio automatizado de sete velocidades e dupla embreagem opera sem trancos e mantém o motor abaixo dos 2 mil rpm ao trafegar a 100 km/h. É possível colocar a caixa para trabalhar no modo Sport – as trocas são feitas a giros mais altos para privilegiar o desempenho – o que compromete o consumo.

A suspensão rebaixada em 4 centímetros em relação à versão de entrada do B200 favorece a estabilidade do carro, principalmente, em velocidades mais altas e curvas contornadas com firmeza. O sistema, no entanto, transmite praticamente quase todas as imperfeições de ruas com asfalto castigado. As pancadas secas sentidas na cabine judiam dos ocupantes a cada irregularidade no piso.

O Mercedes-Benz B200 Turbo Sport é uma opção a ser considerada por famílias endinheiradas que necessitam de um carro espaçoso e versátil, mas ainda não sabem se levam para casa um sedã ou um SUV. Além do status da estrela de três pontas, o modelo oferece o ótimo padrão de acabamento da marca, conjunto mecânico eficiente e uma dirigibilidade capaz de fazer o motorista esquecer que está conduzindo uma minivan.

Se a intenção é levar a família com conforto, o ideal é abrir mão dos equipamentos e do visual esportivo da versão mais cara e optar pela configuração B200 Turbo, que (além de custar R$ 11 mil a menos) oferece um comportamento mais condizente com a proposta por não comprometer o conforto dos ocupantes com uma suspensão rebaixada e rodas de 18 polegadas, itens irrelevantes nesse tipo de veículo.

Confira mais detalhes do Classe B na galeria de imagens abaixo.

[wppa type=”slide” album=”69″][/wppa]