Crossover da marca francesa chega por R$ 124.900 e aposta no luxo e no desenho estiloso para brigar no segmento de modelos premium

Citroën apresenta o DS5 para encarar alemães

Diferentemente do que havia anunciado no Salão do Automóvel de São Paulo, a Citroën antecipou na última terça-feira (5) o lançamento do DS5, o modelo topo de linha da família DS (já representada por aqui pelo compacto DS3). A expectativa inicial era de começar as importações do crossover apenas no primeiro semestre do ano que vem, junto com o hatch DS4, que chega ao Brasil depois do Carnaval.

Oferecido em versão única por R$ 124.900, o DS5 é a arma da Citroën para brigar no segmento de modelos premium, que é dominado por carros das alemãs Audi, BMW e Mercedes-Benz. Como diferencial, o francês conta com um desenho com elementos inspirados na aviação e que mistura as linhas de um hatch anabolizado, uma perua e um cupê. A montadora espera vender cerca de 500 unidades do DS5 por mês, que terá três anos de garantia e revisões a preço fixo.

O crossover de 4,53 metros de comprimento, 1,82 m de largura, 1,51 m de altura e bons 2,72 m de entre-eixos chama a atenção pelo design que o fabricante chama de “escultura aerodinâmica”, mas o destaque do carro fica por conta do espaço interno e do acabamento primoroso, com materiais de primeira. A cabine recebe bem cinco ocupantes, que se acomodam em bancos revestidos em couro de ótima qualidade e os assentos dianteiros contam ainda com regulagens elétricas e massageadores. O porta-malas acomoda 468 litros.

A farta lista de equipamentos de série traz ar-condicionado automático digital de duas zonas, direção hidráulica, sistema de entretenimento com tela de sete polegadas, Bluetooth e GPS, teto panorâmico com acionamento individual para motorista, passageiro e banco traseiro, rodas de liga leve de 18 polegadas, entre outros itens.

No quesito segurança, o pacote conta com seis airbags (frontais, laterais e de cortina), freios com ABS, repartidor de frenagem e sistema auxiliar de emergência (aplica pressão máxima em uma frenagem mais brusca), controle de estabilidade e controle de tração. O modelo tirou nota máxima nos testes de colisão da Euro NCAP.

Motor de apenas 1,6 litro?

Devido o seu visual agressivo, o crossover aparenta carregar sob o capô um motor de grande capacidade de deslocamento e mais de quatro cilindros. No entanto, o bloco que movimenta o DS5 é o THP de 1,6 litro 16V turbo a gasolina, desenvolvido pela BMW. Pode parecer pouco para empurrar os 1.480 quilos do modelo, mas o propulsor de 165 cavalos de potência despeja seus 24,5 kgfm de torque a 1.400 rpm nas rodas dianteiras e dá conta do recado. O câmbio automático de seis velocidades, com opção de trocas manuais apenas na alavanca, tem funcionamento suave e gerencia bem o trabalho do trem de força.

Apesar de não ter um comportamento explosivo, o DS5 deslancha bem em rodovias, terreno onde se sente mais à vontade devido as suas dimensões. A 120 km/h, o conta giros afere menos de 3 mil rpm, enquanto o computador de bordo registra um consumo médio de 13 km/l. De acordo com a Citroën, o modelo vai de 0 a 100 km/h em otimistas 8,9 segundos e atinge os 211 km/h de velocidade máxima.

A Citroën afirma que os potenciais compradores do DS5 são pessoas que querem se destacar no dia a dia, sem abrir mão do conforto e da sofisticação. No entanto, o modelo pode confundir a decisão final de quem tem “bala na agulha” para comprar um carro de mais de R$ 100 mil, pois alia a um bom pacote de equipamentos, um trem de força competente, tecnologia de ponta, acabamento e materiais nobres, além de um visual exótico que o faz se destacar entre os sisudos concorrentes alemães.

Teste-drive feito a convite da Citroën do Brasil.

[wppa type=”slide” album=”10276″][/wppa]